Roberto Gerin

Quando apresentei minha gata Jade, no meu relato anterior, a que dei o título de A Gata Abusiva, de tanto que ela passou a tomar conta da minha vida, a ponto de querer eliminar tudo que pudesse me afastar dela, e só pra dar alguns exemplos, tipo quebrar meu espelho de maquiar, cortar o fio do meu fone de ouvido pra que eu não ouvisse música, arrebentar as cordas do meu violão, enfim, tudo era destruído pra que minha atenção se voltasse exclusivamente para ela, pois, tanto foi a minha aflição em falar da minha gata que deixei de apresentar o meu querido cão maltês, o Totó. Sim, o delicioso cãozinho que ganhei da minha mãe quando eu acabava de fazer sete anos. Portanto, lá se vão nove de convivência! Mas agora, com a chegada da Jade, as coisas mudaram um tanto. O Totó ficou magoado. E não foi pouco. A Jade, evidente, passou a dominá-lo como se ele fosse um brinquedinho casual. Totó se ressentiu, mudou alguns hábitos, em vão tentou cercar seu território, enfim, renunciou à vida (à minha cama) e passou a dormir na cama da minha mãe. Ficava lá quase o dia todo, disposto a brigar pelo pouco espaço que lhe restara. Abateu-se sobre ele uma tristeza silenciosa, que se refletia no latido desafinado e frouxo. Entronizado em seu maravilhoso mundo de cãozinho bajulado por sua beleza, não contava com esse terrível lance. Aliás, e aqui introduzo meu segundo relato, nem a própria Jade, a protagonista da história, contava com o que viria a acontecer. Ela também iria mergulhar em silenciosa e prostrada tristeza.

Meu pai acaba de me presentear com outro gato! Sim, macho. Yoda. Agora somos cinco nesta casa. Eu, minha mãe, Totó, Jade e Yoda, o caçula! Todos isolados pela pandemia do coronavírus. E tivemos que, em pouco espaço, ajustar nossas convivências. O que não está sendo fácil.

Conheça O Voo da Pipa, uma obra de Roberto Gerin.

Jade não se conformou absolutamente com a chegada do Yoda. Surpreendeu-nos com suas reações. Encolheu-se, desapareceu, abandonou o afeto. Passou a me rejeitar. Recusava-se a entrar no meu quarto. Em hipótese alguma! Caminhava pelo corredor, nem olhava pela porta adentro. Sequer entrava pra comer e beber. Carinhos, abraços e beijos? Sumiram. Tive que colocar a comida e a água no corredor, pra que ela não morresse de fome e sede. E o que come é quase nada. Deprimiu-se. Perambula pela casa, sem rumo. Até o Totó, sobre quem ela tinha total domínio, passou a persegui-la, o focinho tenso, querendo saber o que estava acontecendo. Por mais que eu tentasse pegá-la no colo, fugia. Era como se deixasse de existir. E me perguntava. Como tirar a Jade dessa tristeza…?

O Yoda chegou quase bebê ainda, tive que dispensar a ele muita atenção, e, confesso, desliguei-me momentaneamente da Jade. Não que a tirasse do meu campo de afeto. Pelo contrário. Sentindo-lhe o desamparo, redobrei-o. Em vão. Ela me olhava, seus olhinhos verdes brilhavam, mas não tomava qualquer atitude. Mantinha-se distante, longe do meu quarto, pra ela agora o ninho de suas dores.

Pobre Jade! Fico imaginando-a deitada sobre o sofá, pensativa, os sobrolhos caídos, os olhinhos quase se fechando em atitude de alheamento. Meu Deus, Jade, nós te amamos, eu, o Yoda! Até o Totó! Mamãe te adora! Venha pro quarto! Eu, na minha angústia, colocando todos nós juntos, esparramados sobre a minha cama. Envolvia-me em sonhos, era o que eu tinha pra me oferecer.

Me lembro dos tempos em que Jade passou presa na gaiola, um método temporário que arranjei para conter alguns hábitos possessivos dela. Não acho que eu tenha errado! Ademais, foram só alguns dias, por algumas horas! A portinhola ficava aberta, ela podia entrar e sair! Com a chegada do Yoda, a gaiola desapareceu e o fato está esquecido, e espero que ela não tenha guardado mágoas. Ela só tem que entender que meu amor continua o mesmo, mas que agora vem a necessidade de aceitar que tudo na vida se divide. Principalmente afeto. No entanto, ela continua a passar pelo corredor, diante da minha porta, sem olhar…

E assim se passaram muitos dias nessa apatia e distanciamento, que Jade fazia questão de manter a todo custo. Hoje à tardinha fui à padaria comprar chocolate pra fazer meu café cremoso, o mesmo café que eu costumava tomar com minha mãe todas as manhãs de domingo, no Frans Café, antes da pandemia. Quando retornei, a Jade não estava dormindo no sofá, como eu a havia visto antes de sair. Pressentindo algo, corri para o meu quarto. Jade estava deitada na minha cama! Tinha rasgado boa parte do livro que eu estava lendo, As Aventuras de Tom Sawyer, que minha mãe havia acabado de me comprar. Sobre o peitoril da janela, o Yoda, sentado, orelhas em pé, a tudo observava, maravilhado! Num primeiro momento, me desceu a raiva misturada à frustração. Mas logo me recobrei. Afinal, Jade tinha voltado.

Clique abaixo para ler toda a sequência dos contos da gata JADE.

 

1 Comentário

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.